Wiki Ace Combat

Assim como a Acepedia internacional está na wiki.gg, nós também estamos lá. Acesse a nossa Acepédia brasileira de lá pelo link: https://acecombat.wiki.gg/pt-br

E agora temos um canal no Rumble e no Youtube Acesse: Rumble: https://rumble.com/user/AcepediaBR Youtube: https://www.youtube.com/@AcepediaBrasil

LEIA MAIS

Wiki Ace Combat
Advertisement
Wiki Ace Combat

"De vez em quando, eu contava à minha filha a história da noite de alguns anos atrás, uma noite em que o céu estava radiante de estrelas cadentes." ― Melissa Herman

Ulysses 1994XF04, comumente referido como Ulysses, foi um asteróide do mundo Strangereal de aproximadamente 1,6 km (1 mi) de diâmetro. Foi o catalisador do Evento de Impacto do Ulysses em 1999.

O professor Jonathan Payek descobriu Ulysses pela primeira vez em outubro de 1994 enquanto trabalhava na Seals Bridge University. Pesquisas subsequentes nas Ilhas Comona previram que o asteróide passaria perto da Terra em 1999 com uma grande chance de impactar e causar devastação.

A Federação da Usea (Central Usea Federation) anunciou a previsão do asteróide para o mundo em abril de 1996, deixando os países da Terra em pânico. Usea e Anea foram os dois continentes previstos para sofrer os maiores danos, resultando em migrações em massa e grande desenvolvimento de abrigos. Os países Useanos desenvolveram o railgun de Stonehenge para combater Ulysses; em Anea, a Estovákia tentou desenvolver o railgun Chandelier, mas não conseguiu concluí-lo a tempo.

Ulisses teve o impacto previsto em julho de 1999. Em duas semanas, mais de meio milhão de vidas humanas foram perdidas; A infra-estrutura de Usea e Estovákia entrou em colapso; e uma crise humanitária generalizada se desenvolveu rapidamente quando os refugiados perderam suas casas. A instabilidade política dos impactos durou anos e inevitavelmente resultou na Guerra Continental (Continental War) e na Guerra Civil Estovakiana.

Conteúdo[]

1 Etimologia

2 História

2.1 Descoberta

2.2 Esforços de defesa

2.3 Últimos meses

2.4 Impacto

2.5 Consequências

2.5.1 Hemisfério Norte

2.5.2 Osea e Yuktobania

3 crateras

4 notas de rodapé

5 Referências

Etimologia[]

Ulisses recebeu o nome do nome romano do herói épico grego Ulisses, o protagonista da Odisséia de Homero.

A designação 1994XF04 é baseada nas convenções de nomenclatura de planetas menores usadas pela União Astronômica Internacional da vida real e, posteriormente, pela União Astronômica Internacional de Strangereal. Nesta convenção de nomenclatura, a designação é descrita com mais precisão como 1994 XF4 e se traduz no seguinte:

  • 1994 – O primeiro elemento indica o ano da descoberta.
  • X – A primeira letra indica a metade do mês da descoberta do objeto naquele ano. X indica o período de 1 a 15 de dezembro. Isso não corresponde à descoberta do asteróide em outubro, significando um dos seguintes:
  • Esta letra deveria ser T ou U.
  • Esta carta refere-se a quando a Universidade de Comona realizou mais pesquisas sobre o asteroide.
  • F4 – A segunda letra e o sufixo numérico seguinte indicam a ordem de descoberta naquele meio mês. As primeiras 25 descobertas em meio mês recebem uma letra de A a Z (a letra I nunca é usada) e quaisquer sequências posteriores usam um número para mostrar quantas sequências de 25 letras já foram usadas. F4 significa que quatro sequências de letras já foram usadas, e F é a sexta letra na sequência, tornando este o 106º planeta menor descoberto no período de meio mês.

Na forma compactada de designações de planetas menores, 1994XF04 seria designado como J94X04F.

História[]

Descoberta[]

Pesquisadores da União Astronômica Internacional (IAU) de Usea na Seals Bridge University descobriram Ulysses em outubro de 1994. Pesquisadores da Universidade de Comona usaram modelos de computador para calcular a trajetória do asteróide; em dezembro de 1994, eles confirmaram que Ulysses passaria pelo limite de Roche da Terra em 3 de julho de 1999 às 15h30 Usea Eastern Standard Time. Ele então se espatifaria em vários fragmentos e bombardearia o hemisfério norte com a força de dois milhões de ogivas nucleares; os detritos atmosféricos gerados pelo evento mergulhariam as áreas afetadas em um inverno nuclear. O dia 3 de julho de 1999 ficou conhecido a partir de então como o "Dia do Ulisses".

A IAU relatou suas descobertas ao governo da Federação da Usea Central (FCU). A FCU reteve a confirmação do impacto do público "devido a considerações políticas e culturais" e convocou uma conferência aeroespacial para decidir como evitar o desastre iminente. A conferência terminou com um claro consenso de que a FCU teria que cooperar com seus aliados para combater o asteroide.

Esforços de defesa[]

"Este é um desastre iminente, não apenas para Usea, mas para o mundo inteiro. ... Devemos tomar todos os meios para que possamos viver para ver o novo milênio." ― Presidente da FCU, Robert Sinclair

Em 20 de abril de 1996, o presidente em exercício da FCU, Robert Sinclair, divulgou a existência e o impacto iminente de Ulysses em uma coletiva de imprensa histórica, gerando considerável choque e pânico em todo o mundo. Mais tarde naquele dia, o Secretário de Estado da FCU, Stateson, participou de uma reunião de emergência do Comitê de Relações Exteriores na sede da Organização do Tratado Central de Usea (UTO). Durante a reunião, Stateson propôs a criação de um sistema de "Defesa Nacional de Mísseis" (NMD) entre os membros da UTO. Alternativas para o NMD incluíam um sistema de laser anti-asteroide parcialmente concluído por satélite e uma redefinição do Fortress Intolerance de North Point.

Apesar das hesitações iniciais decorrentes do uso potencial do NMD como arma de guerra, ele foi finalmente escolhido pelo comitê como a opção mais viável. No entanto, o plano NMD acabou sendo descartado em favor da "Iniciativa de Defesa" da FCU, internamente conhecida como "Projeto STN" (Spaceguard Turret Network). O plano propunha uma série de canhões ferroviários, conhecidos como Stonehenge, que foram construídos por meio de um esforço colaborativo internacional.

Últimos meses[]

A instalação de Stonehenge em Usea

"Se a FCU está agindo ofensivamente, quem agirá defensivamente? O fato de um asteróide cair é de igual importância para toda a humanidade e estamos sendo chamados à ação." ― Senhor Alberto Lourenço

O complexo Stonehenge, concebido como o "defensor do continente", foi concluído em junho de 1998; as torres foram concluídas vários meses depois. Tanto Osea quanto Yuktobânia inicialmente expressaram vontade de colaborar em sua construção, mas não puderam participar devido aos esforços de reconstrução da Guerra Belka em 1995.

No mesmo mês, análises gravitacionais obtidas por uma sonda espacial IAU revelaram que Ulysses tinha um interior oco. Recálculos realizados pela equipe científica internacional concluíram que os fragmentos do asteróide impactariam uma área muito maior da superfície do planeta do que o inicialmente previsto. No entanto, o projeto STN progrediu além do ponto em que outras modificações nas capacidades da arma poderiam ser feitas. Antes do relatório revisado da IAU, acreditava-se que o alcance da arma de 1.200 quilômetros forneceria cobertura suficiente para Usea; agora ficou claro que as áreas do planeta entre as linhas meridianas 135 graus leste e 30 graus oeste seriam atingidas. Isso trouxe o continente de Anea ao alcance do impacto de Ulisses.

Depois que a notícia do alcance projetado de Ulysses se tornou pública, a FCU optou por tornar Stonehenge mais confiável para seus aliados e se recusou a fazer revisões adicionais no alcance da arma. Esta decisão deixou a Anea completamente desprotegida e provocou protestos em todo o continente pela falta de esforços de gestão de crises. Por sugestão de Lord Alberto Lawrence, o governo Emmeriano começou a evacuar as áreas com maior probabilidade de serem atingidas e construiu uma rede de abrigos subterrâneos dentro e ao redor da capital do país, Gracemeria, capaz de abrigar 200.000 pessoas. Como resultado, Emméria estava bem equipada para lidar com as consequências de Ulisses, e Gracemeria tornou-se um dos principais locais de realocação para refugiados aneanos. Nesse ínterim, a Estovákia construiu sua própria arma defensiva, o canhão ferroviário Chandelier, para se defender de Ulysses; no entanto, não foi concluído a tempo.

Em Usea, a UTO anunciou suas intenções de abrigar refugiados em cada nação membro da UTO. Em todo o mundo, organizações governamentais e do setor privado fizeram extensas preparações em relação a alimentos e suprimentos médicos, simulações de evacuação, assistência humanitária e ajuda em desastres em antecipação ao impacto. Os planos de usar o laser anti-asteróide e a Fortaleza da Intolerância também fracassaram por causa do Golpe de Estado em Usea em 1998, durante o qual ambas as armas foram sequestradas pelos rebeldes e forçadas a serem destruídas, com a própria guerra dificultando ainda mais os esforços de preparação. e solidariedade entre as nações do continente.

Impacto[]

"Usea estava do lado errado do planeta e foi atingida. Duro."Avril Mead

Em 3 de julho de 1999, Ulysses passou pelo limite de Roche da Terra, conforme previsto. O asteroide passou os cinco dias seguintes se estilhaçando em milhares de fragmentos que, no dia 8 de julho, começaram a atingir o planeta. A maioria dos fragmentos caiu na Terra nas duas semanas seguintes. Stonehenge interceptou com sucesso um grande número deles, evitando a extinção em massa, mas falhou em proteger completamente todos os locais dentro de seu alcance de interceptação. Algumas áreas urbanas como Comberth Harbour e Anchorhead saíram ilesas, mas muitas outras, incluindo Saint Ark, Farbanti, Newfield Island, Los Canas, as Ilhas Skully, e Selatapura — sofreram fortes impactos que alteraram radicalmente sua geografia e devastaram as populações locais. A própria instalação de Stonehenge foi atingida por um fragmento que desativou um de seus railguns (número 4). Mais de 30 crateras de impacto medindo mais de 1,6 km de diâmetro foram criadas no continente de Usea.

Approximately 500,000 people were killed in the initial two-week planetfall period, and at least one million more were displaced as refugees. Economists estimate that the damage inflicted was equivalent to 18 months-worth of the Usean continent's total GDP. Around the world, however, certain nations were more affected by Ulysses than others (e.g. fragments that struck Anea heavily damaged Estovakia, while neighboring Emmeria remained relatively unharmed). Experts from Amherst Research Institute in Emmeria estimated Estovakia's economy would not recover to its pre-Ulysses level of activity until at least 2044.

Aftermath[]

"This is the inevitable fate Ulysses heralded in."
― Ilya Pasternak

The Ulysses's planetfall triggered many changes and upheavals within the nations of the world and had a profound effect on the global population. The event became the catalyst for a number of crises and military conflicts within Usea and Anea, leaving a lasting legacy which spans nearly 20 years. The anniversary of Ulysses Day is likely observed as a day of thanksgiving and solemn remembrance of the innocent lives lost.

Northern hemisphere[]

Following the impacts, Usea was inundated with millions of civilian refugees, which led the UTO to initiate a quota-based refugee relocation effort. Erusea, which had suffered thousands of casualties, responded by restricting its issuing of visas to refugees, preventing their entry into the country. Makeshift camps appeared along the Erusean borders, exacerbating the humanitarian crisis in western Usea. The heated dispute between Erusea and the FCU-backed UTO eventually culminated in Erusea's armed takeover of the Stonehenge railgun facility, triggering the Continental War. At the end of the war, Erusean officers completed and commandeered Megalith, a missile launch facility that could weaponize Ulysses debris still stuck in orbit. Mobius 1 destroyed the facility during Operation Judgement Day.

On the Anean continent, Estovakia was one of the countries most adversely affected by Ulysses, suffering widespread destruction and leaving its economy in shambles. The fall of the nation's infrastructure led to a prolonged civil war waged between infighting factions, which only ended when these groups were forcibly united under a junta of top military officers known as "The Generals". As with Usea, the junta declared war on neighboring Emmeria in August 2015.

Osea and Yuktobania[]

In the years following Ulysses, minor fragments continued to linger in low orbit and fall onto the planet. The elimination of these remnants was rendered impossible by the destruction of Usea's STN facility, and later the Megalith facility as well, during the Continental War. The issue was brought up during the 2008 G7 Summit held aboard the Osean Federation's Arkbird spacecraft, where it was decided that the ship would be used to clean up the debris left by Ulysses.

After the summit, the Arkbird was equipped with weapons built through the joint efforts of Osea and Yuktobania. The maneuverable space vessel was outfitted with Yuktobanian pulse-laser guns for smaller fragments, and an Osean beam laser system and missile launchers for large fragments. Though this was not a perfect solution—it required shattering the fragments into even smaller ones that occasionally survived passing through the atmosphere—the Arkbird successfully cleared 80% of debris around the planet's lower orbits. This led to renewed interest in the construction of an international space station, a project which was sponsored in large part by Osea and Yuktobania.

Craters[]

The fragments of Ulysses produced several craters across the Earth's surface. Many of the most well-known impact sites are located in the northern hemisphere, and all known impact sites are located in Usea or Anea.

Anderson Crater
Located south of North Point, the impact that formed Anderson Crater obliterated a large area of Newfield Island's eastern face. In the years after Ulysses, plans were put forward to restore the crater area, though these efforts were hampered by the Usean Geological Survey Society's protests and the Continental War's outbreak.
Krasinsky Crater
Officially named after Usean astronomer Dr. Romanov Krasinsky, this 1.7-kilometre (1.1 mi) wide impact site is located at Mount Shezna. The residual heat from the impact melts the snowfall within the crater, which generates billowing white columns of steam in the frigid northern climate.
Mackenzie Crater
Due to its location in the arid Faith Park region, researchers believe that the crater will remain virtually unchanged for thousands of years. The area surrounding the crater and the crater itself became the site of a massive Erusean solar power plant, but it was destroyed by an ISAF airstrike during the Continental War.
Goldberg Crater
Found in the desert terrain of the Whiskey Corridor, it is one of the largest craters created by Ulysses with a diameter of 8.4 kilometers. The force of the collision redirected the flow of water from the Irsali River, causing Old Anchor Point City's port to dry up and become a graveyard of stranded ships.
Ryker/Laker Crater
One of the deadliest recorded impacts, a Ulysses fragment decimated the coastal area of Farbanti, killing thousands and flooding the site with seawater. Despite the catastrophe, the Erusean government and many of the city's inhabitants remained there in the aftermath.
Unnamed crater in Saint Ark
One of the most devastating Ulysses fragments to strike urban areas was the one that impacted in the outskirts of Saint Ark, destroying its airbase and leaving a crater almost 5 km (3.1 mi) in diameter.
Newman Crater
Located north of Fort Grays Island. Prior to the impact, the island had a population center and its abandoned remains still exist on the island's western side.
Earth Port crater
Created by a Ulysses fragment which struck 20 km (12 mi) off the coast of Selatapura, it later became the base upon which the Earth Port and International Space Elevator were constructed.
Antenora Crater
Located on Sonne Island in northern Estovakia, the impact that formed this crater occurred in the vicinity of the Chandelier.
Other craters
  • A smaller crater also located on Sonne Island
  • An unnamed crater in the Chopinburg Rainforest
  • An unnamed crater in Roca Roja
  • An unnamed crater (left) at the Stonehenge facility
  • Concept artwork for a second crater on Newfield Island
  • A map highlighting all major impact craters on Anea

Footnotes[]

  1. ↑ See discussion at Thread:96905.
  2. ↑ The in-game craters on Sonne Island are not displayed on this map, so it is likely that there are many more besides the ones presented here.
Advertisement